Lançando meu primeiro e-book! “Sting: o Assassino e a História Não-Contada”

Dez anos. Duas faculdades, a primeira trancada, a última concluída. Participação em antologias. Tentativas e erros. Nenhum centavo, até agora. Este é, de longe, o maior e mais arriscado passo que dou na literatura…. Tenho palavras especiais sobre o que estou sentindo, mas primeiro vamos ao que interessa. Behold!

sting

Leitores antigos provavelmente estão surtando com esta imagem. Bom, eu também surtei… Esse foi o meu primeiro personagem original! A versão estreante, que ganhou espaço em uma comunidade no Orkut (saudades), tratava de um assassino badass, com olhos de esmeralda brilhando na escuridão de seu capuz, reagindo contra uma rival enviada para caçar sua cabeça. Eu sei, uma chuva de tropos e clichês, mas eles me divertiram bastante, além de render amizades que estão comigo até os dias atuais. Há um pouco do “Sting das antigas” na Amazon, mas só um pouco. Minha técnica evoluiu bastante. Ao revisitá-lo, trouxe as perguntas ignoradas pelo Heitor do passado: por exemplo, ele é um assassino, mas por que ele mata? De onde veio o nome “Sting”, que também é de um cantor, de um wrestler e da lâmina que Bilbo Bolseiro encontra ao derrotar os trolls? E o dinheiro que ele recebe, para onde vai? Ele tem uma família? No responder das questões, cheguei a uma versão definitiva, aonde o ceifador de perseguida é de fato uma lenda… E, fora das historietas de taberna, ele é apenas um jovem que gosta de cachorros e precisa se virar em um universo de violência.

Esta dualidade foi muito bem representado pelo ilustrador: Clay Tavares. Eu recomendo MUITO que vocês conheçam seu trabalho! O link para a página de trabalho dele estará disponível ali embaixo, junto da sinopse e link para compra na Amazon:

STING: O Assassino e a História Não-Contada.

Sinopse:

Havia uma cidade dominada pelo medo. A ordem se mantinha através de quadros de recompensa: quem se desviava do caminho tinha o rosto espetado em cortiça para alguém clamar por sua alma e por uma fração do tesouro de sangue. O nome da cidade era Kirash, sua ordem era o assassinato, e o tesouro de sangue veio de Sting, um vulto com olhos esmeralda que se cansou da corrupção de uma terra sem leis na noite em que uma caçadora lhe alvejou. Todos conheciam a história. Ninguém conhecia a verdade.

“Acho que as coisas são assim, a palavra do vencedor é a que conta…”.

Veja a lenda e depois conheça o garoto tentando sobreviver à Kirash nesta crônica do Mundo-Prisão: o universo de fantasia onde o ódio dos homens alimenta demônios.

Link para a compra: https://www.amazon.com.br/dp/B074PXZVQ4

Conheça o trabalho de Clay Tavares:   https://www.facebook.com/clartss

Saiba mais sobre o universo de Sting (tem um mapa muito legal :D): https://www.facebook.com/heitorvasconcelosserpa/ 

Agora, eu acredito que você tenha algumas dúvidas, caso não conheça o funcionamento do Kindle. Vamos para um Q&A respondendo o básico:

O que é “Kindle”?

R: Serviço de leitura da empresa “Amazon”.  É uma plataforma que abrange o mundo inteiro, possibilitando a publicação independente de escritores com o mínimo de intermediários possíveis.

Do que preciso para adquirir a obra?

Você precisa de um cadastro na Amazon. O cadastro é grátis e super-fácil de fazer! No próprio link para a compra haverá um espaço para isso. O livro virá em formato digital, você pode baixá-lo para ler em seu computador, ou usar o aplicativo “Kindle” em seu celular.

O livro é em formato físico ou digital?

R: Digital, ou seja, um e-book. A Amazon disponibilizou a possibilidade de publicar um livro de capa comum, impresso sob demanda… Mas estou estudando se é viável. Dependendo do feedback, teremos Sting em papel também!

Por enquanto é só isso, eu vou adicionando tópicos conforme mais perguntas surgirem. E, por favor, se você comprar, não deixe de avaliar o livro, isso ajuda muito, mas MUITO na divulgação!  Espalhem a boa nova para os amigos 😀

Agora, gostaria de dizer aquelas palavras especiais:

Quem me acompanhou, sabe o quanto este momento significa para mim.  Essa ideia de “vender uma história”, “ser profissional”, dá um pouco de medo, sabe? Conversando com alguém especial nos últimos dias, encontrei uma maneira gráfica de expor o que foram esses dez anos: asas, crescendo por dentro da pele desde o primeiro rascunho. Estas asas se tornaram maiores com o tempo, as penas rasparam e incomodaram, mas a derme, com suas inseguranças e autossabotagens, permaneceu firme. Cada história publicada aqui, no Wattpad, a centena de rascunhos no Evernote, a construção de um universo fantástico próprio, outro universo fantástico em grupo, estas foram tentativas de aliviar o peso se contorcendo nas minhas costas. Eu disse “aliviar”, pois libertá-las virou uma utopia: tanta gente perguntando “qual o meu trabalho de verdade”, e aqueles do próprio meio artístico falando que a subsistência através das letras é quase impossível. Eu tentei esquecer essas malditas asas, seguir o caminho natural de um ser humano, com um colar branco e carteira de motorista, mas elas não pararam de se expandir. Gigantas confinadas num espaço minúsculo.

Com a faculdade concluída e um “e agora?” na cabeça, pensei no tempo dedicado ao aperfeiçoamento da escrita. Caramba, dez anos! Isso é mais ou menos o tempo que alguém leva para se tornar médico. A pele ainda está lá, dizendo para eu ir com calma, esperar um contrato tradicional com o meu manuscrito de 2015. Não, eu esperei demais. Se essas asas vão funcionar, se estarão atrofiadas, qual a sua aparência (angelical eu duvido muito, talvez com penas de um corvo ou ave silvestre… ou membranosas, como as de um morcego), eu descobrirei agora.

Tá na hora de rasgar essa pele e alçar voo. Muito obrigado a todos(a)(x)(y)(z) por tornarem este sonho possível!

Gonna fly now.